4.4.15

CENTÍMETROS QUE FAZEM FALTA


E quando eu dizia pra todo mundo: não, não, não, eu nunca transei com a Roberta, os outros garotos não entendiam isso. Se você fez sexo com uma menina, você sai por aí contando e se gabando. E eu estava negando, sou esquisito ou o quê?
Minha prima Roberta não era tímida, dava em cima dos rapazes, rolava beijo, mas ela nunca chegou a fazer sexo. Mesmo assim, pegou uma má fama na rua. E eu, que estava sempre andando com ela, peguei uma heterofama indesejada.
Tarde da noite, estou na casa da minha avó com a Roberta, e nós, como sempre, estamos vendo um filme. O resto do mundo vai pensar bobagens, eu tento não ligar para isso. Na semana anterior, eu havia feito uma descoberta sensacional. A Roberta queria ver um filme, e eu tinha outros planos.
Havia (há ainda) uma casa nos fundos, lá vivia o meu primo e um amigo dele, o Marcelo. Ambos com mais de vinte anos, eu tinha quinze, e qualquer coisa me excitava. O Marcelo, lindão, morava embaixo do meu primo, e ambos dividiam o mesmo banheiro. Já estava tudo acertado, eu já havia decorado os horários e já estava preparado. Vi os primeiros minutos do filme com as orelhas em pé e não demorou muito, ouvi o Marcelo gritando: Dirceu, vou tomar banho.
O banheiro era minúsculo e era difícil fechar a porta com alguém lá dentro. Logo, o Marcelo tomava banho com a porta aberta. Aí eu disse pra Roberta: preciso ir ao banheiro. Entrei no banheiro, fechei a porta e subi no vaso. Era possível ver o Marcelo no banho pela pequena janela. Eu conseguia ver tudo até a região do umbigo, queria ver mais, mas era impossível. Coloquei o lixo do banheiro em cima do vaso para ficar mais alto e a tampa afundou. 
- Alessandro, o que você tá fazendo aí dentro?
- Nada.
- Você tá perdendo o filme.
Hunf, ''o retorno dos mortos vivos'', já vi esse mil vezes.
Será que essa janela aguenta o meu peso? Não foi uma ideia muito feliz, meu pé caiu dentro do vaso.
- Alê, não quero mais ver esse filme, tô com medo.
- Já vooou.
E aí o Marcelo terminou o banho e gritou: Dirceu, já terminei.
Bom, é isso, a sessão noturna acabou, meu primo desceu as escadas e entrou no banheiro. Espera aí. Meu primo é um pouco mais alto, será que ... ele começou a se despir e eu não consegui desviar o olhar.
E aí a Roberta bateu na porta.
- Por que a luz está apagada?
A luz da sala estava apagada por causa do filme (faço questão) e a Roberta deve ter notado que não havia luz alguma vazando pela porta do banheiro. Então ela ligou o interruptor que ficava ao lado da porta, do lado de fora (muito obrigado por ter projetado essa casa maluca, vovô). A luz do banheiro se acendeu e eu me joguei para trás e para baixo quando meu primo notou a claridade, um pequeno espaço separava as duas casas.
Deixei o banheiro enfezado e fui mudar o vhs. Minha prima estava na cozinha bebendo água e meu primo Tiago (13 anos) havia acabado de chegar.
- Vocês estão vendo um filme de sacanagem?
- Não, é terror.
- Ah, tá bom, e isso aqui?
Ele apontou para o meu shorts, eu estava com a barraca armada (os jovens ainda dizem ''barraca armada''?). E lá estava o Alessandro, ''vendo sacanagem com a Roberta e fazendo outras coisas''. Não vou me livrar dessa fama tão cedo, pensei.

Curiosamente, agora tem um outro Marcelo morando aqui, pagando aluguel. Ele estava na casa dos fundos e agora está na casa do meio. Ele toma banho no mesmo banheiro onde eu tentei espionar o outro Marcelo, décadas atrás. Não é muito atraente, mas tem um bumbum que me tira do sério. A antiga janela sumiu e uma nova foi feita, ela está bem aqui, ao lado da minha porta. Ela fica a uns dois metros e meio do chão, eu nunca vou ser tão alto.



8 comentários:

Adriana disse...

Muito boa essa história : )

TJ disse...

Nesse caso vale os meus quase 2 metros... Né Anselmo? HEHE

Homem, Homossexual e Pai disse...

me diverti muito lendo esta historia.. e me lembrei que eu observava o enteado do meu pai pelo buraco da fechadura...!

Rafael Caribé disse...

Se a janela for a sua, dá para resolvir com um banquinho discreto rsrsrs Coisas da adolescência, eu qd ia p casa do meu primo fingia direto q ja estava dormindo pq assim ele se sentia mais à vontade para trocar de roupa no quarto pós banho e de vez em quando até rolava uma punhetinha (o computador ficava no quarto e n existia notbook). Comigo acordado, ele botava a toalha na frente p botar a cueca e só uns comentários sobre sexo.

Anónimo disse...

tenho fetiche nessas coisas também.

uma vez vi um vizinho se trocando e como eu me apaixonei por todo aquele matagal. O pinto eu nem lembro direito, mas lembro com detalhes o corpo e os pelos da região.

Anselmo disse...

Opa TJ, se você ainda se contenta em espiar pela janela, de longe, sim vale muito ser alto. Mas como faço questão de contato olho no olho, de preferência na linha dos meus olhos, um "baixinho", mais ou menos da minha estatura, está perfeito.

Raul disse...

Saudades dos contos!
Ótima ilustração...

TJ disse...

Eita que o romance está forte. RSRS :D