2.7.17

CHP CULT


Olha só, o filme sueco de 2008 é tão legal que o remake norte americano, de 2010, não mudou nada. Na verdade, apesar de trazer uma trama mais detalhada (com investigação policial), e de ter dado profundidade aos personagens coadjuvantes, o remake usa vários diálogos do filme original. E o filme original foi baseado num livro. Ainda não li esse livro, talvez seja ele o culpado, os dois filmes são bem parecidos. Por conta disso o remake tem cara de ''refilmagem desnecessária'', mas não é um filme ruim. Ainda assim, eu prefiro o clima desolado, pitoresco e visceral do filme sueco.

Em DEIXA ELA ENTRAR (o remake é ''deixe-me entrar'') acompanhamos um garoto de doze anos chamado Oskar. Ele tem um gosto meio mórbido, curte coisas violentas, mas nunca revida quando apanha dos outros garotos na escola, e ele apanha todos os dias. Ele se torna amigo de uma menina que acabou de se mudar para o AP ao lado do seu (Chloë Grace Moretz no remake). A menina Eli é uma vampira que precisa de sangue para viver, sua vida é complicada, o rastro de cadáveres que ela deixa para trás está chamando a atenção dos moradores locais. Os dois filmes têm o mesmo clímax e o mesmo final, mas o filme sueco raramente apaga as luzes para gerar terror, ele não precisa desse recurso bobinho.

3 comentários:

João Paulo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
João Paulo disse...

Digite seu comentário...No livro Eli era um menino que foi castrado antes de virar vampiro.

ALESSANDRO SKYWALKER disse...

bem, isso explica alguma coisa. no filme ela diz que não é uma menina, mas achei que ela estava querendo dizer que não era humana