17.6.16

DÊ UMA CHANCE PARA ...


E aí, eu vou ver o primeiro filme e ... que decepção, isso não é Resident Evil. Eu sei que não é. Eu passei longas horas, madrugada a dentro, em 1996, vasculhando aquela mansão cheia de zumbis com a Jill e com o Chris. Cadê eles?
E nos filmes seguintes, gasp, a tal Alice ganha super poderes. No terceiro filme, a moça vira uma deusa. Quando fui ver RESIDENT EVIL 4: RECOMEÇO, eu não tava muito feliz com a franquia. E no fim das contas, esse filme acabou se tornando o meu RE favorito.
Ele começa com uma baita surpresa. Wesker tira os super poderes de Alice. Ela se torna uma mulher comum (muito obrigado). Depois a turma vai parar numa prisão, cercada por zumbis, onde encontram outros sobreviventes. E, olha só, Chris Redfield finalmente dá as caras, e ele é o Wentworth Miller (eu sempre pensei no Ben Affleck...). Agora o filme é metade ''resident evil'' metade ''George Romero''. E ainda surge o ''cara do machado'', aproximando o filme dos games. Só nos games você encontra algo tão insano (e, diga-se de passagem, esse RE reciclou muitas coisas. Já conheceu o Pyramid Head?).
Eu realmente amei essa sequência, apesar de faltar um pouco de história, e deu pra curtir bastante o Boris Kodjoe, que eu havia conhecido em 2009. Pena que tudo voltou ao ''normal'' no filme seguinte.

Sem comentários: