2.5.17

CHP CULT


Vencedor de vários prêmios ao redor do mundo, inclusive o recém criado Oscar de melhor animação. A Disney (com ''Lilo & Stitch'') não levou o prêmio naquele ano, mas a pedido de John Lasseter (da Pixar), o estúdio do Mickey foi o responsável pela distribuição deste animê na terra do tio Sam. E aí, toda uma nova geração conheceu a animação japonesa e se apaixonou por essa arte.
A VIAGEM DE CHIHIRO (2001) é como Alice, mas o país das maravilhas é uma casa de banho para oito milhões de deuses, digo, espíritos, a tradução brasileira cometeu um deslize. No Japão existem espíritos em todo canto, por exemplo, aquele bichinho preto que carrega carvão (ele aparece também em ''Meu amigo Totoro'') é um espírito da fuligem. No filme existem espíritos e criaturas do folclore japonês, você não conhece nenhum deles, mas você não fica perdido, você fica fascinado.
O que eu mais gosto é da evolução da personagem principal. Não se vê esse tipo de coisa em muitas animações. Chihiro começa o filme como uma menina birrenta e medrosa que não se importa com nada. Ela amadurece bastante durante o filme, se torna corajosa e confiante, ela se importa com os outros, perdoa os inimigos e ajuda os estranhos. 
A trama é bem maluca, nunca fica tediosa, e o final está aberto para teorias criadas por fãs: tipo, quanto tempo se passou no mundo real?
 

3 comentários:

Igor Marani disse...

Meu filme de animação preferido, amo muito <3

Raul disse...

Nossa! Esse DVD tá me esperando faz anos...
(quase 7 pra falar a verdade!)

Anônimo disse...

essa animação é maravilhosamente maravilhosa rsrs