9.5.16

DÊ UMA CHANCE PARA ...


Ontem, dia das mães, um dos canais da Disney exibiu O REI LEÃO 3 (2004), e esse filme tem tudo a ver com a data. Depois de ver aquela continuação bobinha, com a filha do Simba, eu nem quis saber de ver um ''número 3''. Mas resolvi dar uma chance, o filme trazia algo novo. O título original é ''o rei leão 1 e meio'', a trama começa antes do nascimento do Simba e passa por todo o filme de 1994 (usando as mesmas cenas), mostrando apenas o ponto de vista da dupla Timão e Pumba.

A gente já ouviu falar de muitas homo-teorias em animações famosas (Frozen é o caso mais recente), mas esse ''rei leão 3'' é tão abertamente gay quanto o primeiro filme do pinguim Happy Feet.
A história começa com Timão. Os suricates não gostam dele, ele não serve para ser cavador e nem vigia. Sua mãe super protetora o defende o tempo todo. Timão resolve sair pelo mundo para encontrar um lugar perfeito, para ele, viver em paz. Sua mãe fica triste mas lhe dá apoio. Ele deixa o grupo e, depois de alguns dias de caminhada, encontra o javali Pumba.
Os animais não gostam do Pumba (você sabe a razão), então ele evita multidões e anda por aí completamente sozinho. Os dois se tornam amigos e começam a procurar um lar, atravessando várias locações do filme de 1994 sem perceber que algo importante está acontecendo no local (isso foi bem bolado, é engraçado).



Quando finalmente encontram o paraíso, eles adotam o pequeno Simba. E entram as homo referências. Durante a noite, Simba se levanta e vai até o local onde Timão e Pumba dormem juntos. Ele tem sede ou está assustado porque teve um pesadelo. Aí ele começa a dividir a cama com os pais adotivos.
Simba cresce, reencontra Nala e volta para a Pedra do Rei. Durante esse tempo, a mãe de Timão está procurando por ele. Eles se reencontram após Timão ter dançado a Hula para as hienas. Ele está de saia quando apresenta seu amigo Pumba para a mãe e o tio resmunguento. É um momento meio desconcertante para os dois suricates, mas a mãe de Timão se recupera rápido e logo está apoiando o filho mais uma vez.
Hey, ninguém quer que você comece a imaginar homo-sexo entre um suricate e um javali. O filme apenas mostra uma criança sendo criada por dois homens, não necessariamente gays. Nesse ponto, o filme consegue ser muito fofo. Vou atrás do dvd algum dia.

Sem comentários: