8.11.15

SEXO DO FUTURO


Esse negócio de uma pessoa tocar em outra durante o sexo é coisa do passado. No filme da Barbarella, as pessoas tomam uma pílula e juntam as mãos, isso é o sexo do futuro. É claro que o filme está fazendo uma piada. Porém, nas décadas seguintes, esse tipo de relação sexual apareceu em vários outros filmes que mostram o futuro. Tem gente que toma uma pílula, tem gente que se conecta a um computador e tem gente faz as duas coisas ao mesmo tempo. E isso está num futuro distante, certo?

Um amigo meu me ligou, seu namoro entrou na ''crise dos dois anos'' (são 150 anos para os gays) e ele queria salvar a relação.
- Alessandro, você já fez sexo a três?
(a água é molhada?)
Fui até a casa dele e, durante a ''conversa sem graça pré coito'', ele mencionou uma droga que pode ser inalada e que ''ajuda'' você durante o sexo. Eu já tinha visto algo assim na internet, só não sabia como funcionava.

Acontece que, quando eu era criança, a Xuxa me disse para nunca usar drogas. Então, nunca usei nada. Ela me educou muito mais que meus pais, e o He-man e a She Ra também ajudaram. Então eu disse NÃO, não vou usar isso. E eles acabaram não usando aquilo na minha frente.

Algum tempo depois, fiz uma pesquisa sobre aquela coisa e descobri seus efeitos e seus danos colaterais (ora, é uma droga...). Então tô fora, meu corpo é um templo (às vezes como pipoca com leite condensado, mas é só isso).



Naquele mesmo ano, encontrei um foda-amigo que não via há tempos. E a gente foi pra casa dele, para ''colocar a conversa em dia''. Tava tudo indo bem, tudo normal na cama. Peguei uma camisinha e, enquanto me preparava para colocá-la, vi o cara puxando de algum lugar um vidrinho. Ele enfiou aquilo no nariz e inalou com tudo.
Me ofereceu um pouco e eu disse não obrigado. Poucos, poucos, muito poucos, segundos depois, aquela coisa fez efeito. E o rapaz me pediu para parar, ele já estava satisfeito. Eu fiquei furioso, foi uma penetração de cinco segundos, nem isso. Ele fechou as pernas, se afastou e ficou ali olhando para cima, curtindo o barato (será que viu algum bebê engatinhando pelo teto?). 
Arranquei a camisinha e joguei na cara dele. Me levantei da cama e comecei a me vestir. Olhei para trás e vi que ele ainda estava no país do chocolate.
Abri a boca para dizer - cara, tem uma camisinha na sua testa. Mas resolvi ficar calado. 
Me explica isso. Por que alguém se dá ao trabalho de levar outra pessoa pra cama se pode simplesmente ficar sozinho no quarto inalando aquela coisa?

Esse pessoal do futuro que faça bom proveito do tal ''orgasmo em vidrinhos''. Eu nunca vou desistir do estilo clássico.

4 comentários:

Unknown disse...

Nao entendi o lance dos 150 anos

Anselmo disse...

Parabéns pelo dia de hoje mozão! love-u

Old school aqui também!!

Anónimo disse...

ahhahha que saudades desses causos

Juliano disse...

Relações homo não duram muito tempo, quando chegam a dois anos parece que são séculos. A facilidade pra arrumar parceiro (a maior parte dos gays e me incluo nessa, transa sem escolher muito) e falta de obrigação pra seguir um padrão de relacionamento hetero faz um namoro gay muitas vezes durar pouco.