10.7.15

O MELHOR E O PIOR DE FRINGE

 2008-2013, 100 EPISÓDIOS
5 TEMPORADAS



1- A ABERTURA
É quase um detalhe, a abertura da série está sempre mudando, dependendo da trama que é apresentada em cada episódio. Uma abertura com brilho azul mostra uma trama ambientada no universo convencional. Vermelho é universo paralelo. Com jeitão de 8-bits, é 1985. Em preto e branco, futuro pós apocalíptico. Amarelo, nova linha temporal. Campo de concentração, futuro pós apocalíptico 2, no ano de 2036.



2-  OS EASTER EGGS DO UNIVERSO PARALELO
O universo paralelo é parecido com o nosso. Tem algumas diferenças que são gritantes, a cor da estátua da liberdade, as torres do WTC em Manhattan. E tem umas coisinhas que você precisa caçar na tela. Nesse universo não existe Sherlock Holmes, o Batman é um homem inseto chamado Mantis, o Lanterna e o Arqueiro são vermelhos. Texugos são animais de estimação. Os políticos são rostos conhecidos, mas as notícias de jornal são estranhas, tipo ''Obama se muda para a nova Casa Branca'' (a anterior foi destruída no 11/09) e Kennedy não foi assassinado !!!



3- UM ÚNICO ELENCO E VÁRIOS PERSONAGENS
O seriado viaja no tempo e no espaço. Mostra o presente, o passado e o futuro em quatro universos divididos em duas linhas temporais. Cada ator precisa interpretar seu outro ''eu'' com algumas leves mudanças, levando em conta que cada personagem tem um passado diferente em outro universo ou linha temporal. No caso de Anna Torv, a atriz interpretou seis Olivias em cinco temporadas. Sete se você contar a hilária imitação de Leonard Nimoy que a moça fez, eu me diverti muito, ela até fez uma referência a star trek.



4- É ARQUIVO X, SIM SENHOR
Os casos que são investigados pela divisão Fringe poderiam ser protagonizados por Mulder e Scully numa boa. Eu notei que Fringe era muito parecido com Arquivo X, logo na primeira temporada. Mas os casos investigados são inéditos. Eles têm a mesma cara de Arquivo X, porém, você nunca viu nenhum deles nas nove temporadas do famoso seriado. A trilha musical da série também lembra bastante os trabalhos do compositor Mark Snow.



5- MUDANDO DE RUMO
O seriado muda de rumo o tempo todo. Às vezes, mudanças bruscas acontecem no meio das temporadas e não apenas entre uma temporada e outra. Embora haja algumas ligações, não há nada na primeira temporada que vai preparar você para o conteúdo da quinta e última temporada, é como se fosse outro seriado. E a mudança foi brusca, sem nenhum aviso. 



NO FUNDO DO POÇO:

Seguinte, eu não vi uma temporada por ano, eu vi a série completa em um mês. Foi fácil encontrar os furos na trama e eles são muuuuitos. A conspiração secreta de Fringe não é tão complexa quanto a de Arquivo X, não deveriam haver tantos furos no seriado. Pontas soltas estão por toda parte, Walternativo aparece na primeira temporada, a cronologia de William Bell não faz sentido algum entre 2012 e 2015. Quando a linha temporal mudou, a série abandonou as pontas soltas, deixando muitas perguntas a respeito da máquina que destrói universos. E algumas sub tramas foram abandonadas sem dó, uma ex namorada do Peter (suponho eu) estava apanhando do marido, e aí o marido fez uma ligação tenebrosa, e o seriado nunca mais tocou no assunto. A série mostrou como Peter e Olivia se conheceram em 1985, mas faltou mostrar como eles perderam a memória após o evento.
Outra coisa chata. A série sempre mostra o ponto de vista dos personagens principais no encerramento dos casos da divisão Fringe. Eles não explicam o que o FBI está fazendo para acobertar os eventos quando há testemunhas. Na quarta temporada, uma cidade inteira sumiu do mapa. Ao longo da série, muitos civis, que se envolveram com os eventos, não tiveram seus destinos revelados.

1 comentário:

ALESSANDRO SKYWALKER disse...

BÔNUS

Esperei cinco temporadas para ver o Joshua Jackson sem camisa. E quando finalmente aconteceu, ele fez alguns barulhos que pareciam gemidos de orgasmo. Valeu a pena esperar.