31.10.16

FUCK YEAH, JUSTIN HARTLEY!

CHP RARIDADES


Adaptar a HQ Watchmen é uma missão impossível. Zack Snyder fez de tudo para não decepcionar os fãs em 2009. A brincadeira rendeu 162 minutos de filme, uma versão do diretor com 186 minutos e uma versão definitiva com 215 minutos (que droga, no Brasil temos apenas a versão de cinema). Quando vi o filme na tela grande, dei pela falta de algumas coisas. Cadê o monstro interdimensional pré fabricado? É claro que falta muita coisa no filme, por essa razão eles lançaram o dvd CONTOS DO CARGUEIRO NEGRO.

Essa é uma HQ dentro da HQ. No dvd ela está em versão animada. Tem apenas 25 minutos de duração e é narrada pelo Gerard Butler. Na trama vemos um capitão que é o único sobrevivente de um naufrágio. Antes de ser levado pelas ondas até uma ilha deserta, ele vê o lendário cargueiro negro, um navio tripulado por mortos vivos, que, supostamente, está indo na direção de sua cidade natal. Temendo pela vida de sua esposa e filhas, o capitão usa os cadáveres de sua antiga tripulação para fazer uma jangada fedorenta e deixa a ilha.

No mesmo disco temos um programa de tv fictício que entrevista o autor do livro ''Sob o capuz''. Essa era outra coisa que faltava no filme, os flashbacks. Nós conhecemos os Minutemen, heróis da década de 1940 que foram obrigados pelo governo a revelarem suas identidades secretas. Isso deu origem ao mundo de Watchmen, um mundo onde os heróis precisam viver na clandestinidade. Esse curta tem 37 minutos de duração. Ou seja, ambos caberiam nos extras de um blu-ray. Será que a tal versão definitiva vem com tudo isso?

FUCK YEAH, JENSEN ACKLES!






CHP CULT


O ano era 1992 e lá estava o Roland Emmerich dirigindo outro daqueles filmes acidentalmente gays. SOLDADO UNIVERSAL é um filme bem legal, eu gosto da trama, eu adoro aquele clímax, e as cenas de nudez me deixam maluco.

Temos uma repórter que dá de cara com um baita segredo. Uma super tropa de elite está usando cadáveres reanimados em operações de alto risco. Um deles é o Jean-Claude Van Damme (ahhhhhh, aquela bunda...), durante uma missão suas memórias começam a voltar, ele rejeita os implantes cibernéticos e pula fora. A repórter se torna sua companheira na fuga, mas ela precisa manter o cara refrescado, ele superaquece facilmente. E lá está o Van Damme peladão na banheira com vários sacos de gelo (ô vontade). Outro agente, o Dolph Lundgren, recebe a missão de caçar os dois fugitivos.

O filme ganhou uma continuação, sem JCVD, em 1998 (direto em vhs) e outra em 1999 (ambas com Matt Battaglia, o cara mais gostoso que já apareceu em ''queer as folk''). No mesmo ano, Jean-Claude voltou em ''SU: o retorno''. Dez anos depois fez ''SU3: regeneração'' e em 2012 ''SU4: juízo final''. Ele tirou a roupa mais vezes? Não sei dizer. O primeiro filme já me deixou 100% satisfeito.

30.10.16

chp apresenta


ESPECIAL DE DIA DAS BRUXAS
(ano 9)


Wow, nove anos. E mais uma vez estou aqui, tirando meu boneco do Jack da cripta, para ilustrar o especial de Halloween. Infelizmente, a postagem não ficou como eu queria. ANIMAÇÕES DE TERROR, existem várias, muitas são japonesas. O problema é que a grande maioria nunca ganhou um dvd nacional. Como posso indicar filmes que você não vai encontrar por aí? (bem, muitos foram lançados em vhs, mas...). Então a minha lista sofreu alguns cortes e ficaram apenas as animações que já ganharam dvd por aqui. Vamos lá.




A FESTA DO MONSTRO MALUCO

Animação em stop motion (ih, tá cheio de stop motion aqui hoje) de 1967. Boris Karloff faz a voz do dr Frankenstein. Ele é o líder de todos os monstros do mundo. Quando decide se aposentar, resolve revelar seus segredos para um sobrinho que nunca conheceu, Felix, que é apenas um humano comum. Isso deixa os monstros revoltados. A secretária do doutor, a sensual Francesca, faz um pacto com o conde Drácula, eles vão tentar eliminar o pobre Felix. O monstro de Frankenstein e sua esposa também estão de olho no legado do doutor.
A animação é meio pobre, dá pra ver alguns fios de sustentação no dvd, e no último minuto você se depara com a piada mais insana do filme.



O CORCUNDA DE NOTRE DAME

Aposta arriscada da Disney. A obra de Victor Hugo sofreu várias alterações. Onde foi parar a esposa do capitão Febo? Quasímodo jogando Frollo do alto da catedral? Esmeralda reencontrando sua mãe? Frollo apunhalando Febo? O corcunda e o capitão só sentiam atração pela cigana, apenas Frollo sentia amor por ela. Aí o estúdio colocou aquelas gárgulas no filme para amenizar o conteúdo. Elas são inúteis, a trama não precisa delas. O filme vale a pena pelo visual e pela trilha musical.



O CALDEIRÃO MÁGICO

Disney novamente. O filme foi baseado numa série de livros (são seis livros, o ''caldeirão negro'' é o terceiro). O estúdio nem pensa em fazer prequels ou continuações e a princesa Eilonwy nem tá na lista oficial das princesas. Já viu o filme em inglês? O pessoal tem sotaque britânico, mas falam no inglês norte americano (e o Gurgui parece o Gollum falando). O filme tem dragões, mortos vivos, um duende, um vilão que dá medo, bruxas, e o Tim Burton fazia parte da equipe de animadores. Ih, tá cheio de Tim Burton aqui hoje.



A RATINHA VALENTE

Don Bluth pegou pesado nessa animação de 1982. Nem o corvo do Dom DeLuise consegue aliviar o clima. A ratinha, senhora Brisby, precisa mudar sua família de lugar antes que um trator passe por cima de sua casa. Mas seu filho caçula está doente e não pode sair da cama. Desesperada, a viúva vai atrás de uma coruja assustadora, para pedir ajuda. E aí ela descobre que seu falecido marido escondia muitas coisas tenebrosas.



9, A SALVAÇÃO

O boneco 9 desperta para a vida e encontra um mundo devastado pela guerra (um futuro alternativo da Primeira Guerra Mundial). A raça humana não existe mais e as máquinas são as donas do pedaço. O filme começa cheio de perguntas e o primeiro diálogo demora um tempão pra aparecer na tela. Essa produção (com cenas de morte) do Tim Burton (viu só?) não ganhou uma classificação livre nem no Brasil. É um filme que precisa ser redescoberto. Foi baseado num curta metragem, indicado ao Oscar, que está presente nos extras do dvd.



FESTA NO CÉU

O dia de finados tá chegando e vai rolar a maior festa lá no México. Aqui no Brasil os velórios são incrivelmente deprimentes, o pessoal só visita os cemitérios para chorar. Quer dizer, esse filme traz um grande choque cultural. O título br até tenta ajudar a criançada, mas o tema do filme não é nenhuma festa no céu, e alguns protagonistas vão morrer, morrer de verdade. O filme tem um visual único, de encher os olhos, os personagens foram baseados em marionetes. Apesar das canções em inglês (Radiohead? Sério?) o filme é puro México. Exagerado demais? Não sei se os mexicanos curtiram o filme.



O ESTRANHO MUNDO DE JACK

É cult e nunca vai sair de moda, já conquistou até o Japão. O filme foi baseado num poema que o Tim Burton escreveu enquanto ainda trabalhava na Disney. O estúdio quis fazer uma continuação, em cgi, em 2001, mas o diretor não topou. O filme já ganhou várias edições especiais em dvd no Brasil, mas todas elas trazem a nova versão da dublagem. A dublagem clássica do vhs se perdeu. Azar do Alessandro aqui, que já havia decorado a letra das canções. Ver esse filme no Halloween é tradição, assim como ver ''a felicidade não se compra'' no natal.




A NOIVA CADÁVER

Burton de novo. Desenhou os personagens e co-dirigiu o filme. Tem Johnny Depp, Helena Bonham Carter, Christopher Lee e Danny Elfman, é um Tim Burton clássico. Lembra bastante ''Beetlejuice''. Temos o mundo dos vivos, sem graça e com poucas cores, e o mundo dos mortos, alegre e colorido (percebeu esse tipo de contraste em ''Edward mãos de tesoura''?). Um verme que é a cara do Don Knotts, por alguma razão, e uma protagonista com uma história bem trágica (e o filme conseguiu uma classificação livre!!!). Marca registrada do diretor: um cachorro morto (apenas os ossos desta vez).




CORALINE E O MUNDO SECRETO

O filme consegue ser mais legal que o livro, no qual foi baseado (Neil Gaiman), e foi dirigido por Henry Selick (o estranho mundo de Jack). Classificação livre? Eu o vi no cinema e fiquei com medo da Outra Mãe, uma ótima vilã, com seus olhos de botões. Eu amo a trilha musical, não existe nada mais macabro que um coral infantil. Sinto muito Dakota Fanning, mas a dublagem brasuca tá de parabéns.




PARANORMAN

A gente logo pensa em ''O sexto sentido'', mas existe uma boa explicação pro estranho dom do garotinho (e nenhuma explicação pro seu estranho penteado). O filme mistura stop motion com animação clássica e computação gráfica. Tem um homopersonagem na trama (teve gente que fez boicote), e menciona o assassinato de uma garotinha, acusada de ser uma bruxa. É um filme que os adultos vão curtir, faz muitas referências a filmes clássicos de terror e de ficção, inclusive HQs dos anos 50/60. Termina com uma divertida canção do White Stripes (little ghost).




FRANKENWEENIE

Tim Burton, pela última vez, e esse é o meu filme favorito da lista. Foi baseado num curta metragem do diretor de 1984. A Disney achou o curta assustador demais, para o público infantil, e o diretor foi despedido. Quando Tim ficou famoso (Beetlejuice, Batman...) a Disney finalmente lançou o curta, numa versão com cortes. Anos depois, ele apareceu na íntegra no dvd de ''O estranho mundo de Jack''. O longa metragem traz novos personagens, eu adoro a garotinha do gato, e sub tramas. Como se trata de uma nova versão de Frankenstein, o filme tá em preto e branco, muitos personagens foram chupados dos clássicos da Universal e o professor de ciências foi baseado no Vincent Price. São várias homenagens espalhadas pelo filme. E tem também, é claro, um cachorro morto (rapaz, como eu choro vendo esse filme).
''Frankenweenie'' esteve presente no Oscar animado mais injusto de todos os tempos, em 2013. Tinha um monte de filme legal entre os indicados. Além de ''Frankenweenie'' e ''ParaNorman'', tinha ''Detona Ralph'' e ''Piratas pirados''. E o Oscar foi pro único filme da lista que eu detestei: ''Valente'', da Pixar.


E agora, a gente encerra com um verdadeiro clássico do terror animado. Pra vocês, sonhos terríveis.


29.10.16

DIGA ''SIM'' ÀS DROGAS

 CAÇA FANTASMAS (2016)

 
Quando disseram que o remake seria estrelado por quatro mulheres, eu disse, tudo bem. Mas aí pintou uma Janine homem, Chris Hemsworth, super idiota, não sabe nem atender ao telefone. As moças, três cientistas, o toleram porque ele é bonitão. Então ficou claro que a troca de gêneros deveria ser vista como uma piada, logo, a produção começou com o pé esquerdo. Eles deveriam ter criado um quarteto misto, com uma ou duas mulheres. Certo, então, segundo as atrizes barra diretor barra estúdio, o filme foi um fiasco porque todo mundo é machista. Finalmente consegui ver o filme e pude ver que ... todo mundo tá errado. Não importa se o elenco é todo feminino (Kate McKinnon é a melhor parte do filme), a história não ajuda, a direção não ajuda. Quando o vilão, lá no final, se transforma num desenho animado, você diz: ok, agora já deu.

O filme consegue ser um pouco mais realista que o original de 1984. Enquanto a equipe está se formando sem pressa, um cara tenta quebrar a barreira que separa o mundo dos vivos do mundo dos mortos. Além das armadilhas e das mochilas de prótons, as caça fantasmas também possuem outros apetrechos. É uma pena que a trama não soube tirar proveito de nada disso (parece que tá tentando imitar o filme dos Vingadores). Algumas piadas foram ótimas, outros momentos foram infantis demais, o elenco original (Bill Murray, Dan Aykroyd, Ernie Hudson, Sigourney Weaver e Annie Potts) aparece em pontinhas. São várias as referências ao filme de 1984.

Há cenas adicionais nos créditos, é muito legal ver o Chris Hemsworth dançando, e uma cena lá no final que traz um gancho delicioso para uma futura continuação. Mas será que algum dia veremos uma continuação?


27.10.16

TOP 10 - OS GOSTOSÕES DE TEEN WOLF

10ª E 9ª POSIÇÃO - MAX CARVER E CHARLIE CARVER


8ª POSIÇÃO - LINDEN ASHBY


7ª POSIÇÃO - DYLAN O'BRIEN


6ª POSIÇÃO - CODY CHRISTIAN


5ª POSIÇÃO - COLTON HAYNES


4ª POSIÇÃO - TYLER HOECHLIN


3ª POSIÇÃO - TYLER POSEY


2ª POSIÇÃO - IAN BOHEN


1ª POSIÇÃO - J.R. BOURNE

26.10.16

E AGORA, OITO MINUTOS DO SEU TEMPO

video

CHP CULT


Cassandra Peterson, amada pelos nerds, defensora dos direitos dos gays, dezenas de aparições na tv, de seriados a tele filmes e especiais de Halloween, HQs, bonecas, documentários, convenções, shows de rock, calendários e muitos filmes. Isso é lá fora. No Brasil temos apenas o filme de 1988 e o esquecível filme de 2001 (esse vale a pena pelo ferreiro bonitão). O primeiro foi exibido até a exaustão na sessão da tarde e ele conquistou uma geração (a melhor geração). Quando vi que o dvd br tava demorando pra dar as caras, comprei o dvd importado. Pra variar, o dvd br saiu algum tempo depois, e eu o comprei também, não poderia viver sem a dublagem clássica, eu cresci com ela. É uma pena que nenhum dos dois trouxe o clássico poster do vhs, com a Elvira na fogueira.

Em ELVIRA, A RAINHA DAS TREVAS, a personagem deixa o mundo da televisão para realizar seu sonho de fazer um musical em Las Vegas. Ela recebe uma carta dizendo que sua tia morreu e que ela precisa estar presente para a leitura do testamento. Elvira acha que vai ganhar uma fortuna. Ela ganha uma velha mansão caindo aos pedaços e um poodle engraçadinho. Sem saber que é descendente de bruxas (que macabro), ela tenta vender a casa junto com um velho ''livro de receitas'' da tia. Seu tio é um bruxo do mal que está doido para botar as mãos no tal livro.
Enquanto isso, Elvira conquista os jovens da pacata cidade e irrita os adultos conservadores. Ela também dá em cima do tímido Bob (Daniel Greene).

Opa, já viu o cara no poster de ''Pulsaciones'' (1985)?

Anatomia de um poster clássico


Bem, Elvira nunca recebeu muita atenção no Brasil, então seria pedir demais por um blu-ray do filme com extras no pacote. A gente quer ver esse filme em agá dê? Claro que sim, nós já perdoamos os defeitos especiais há muito tempo. Na verdade, nós envelhecemos, e o filme não. Ele ainda é divertido, a gente nem repara nos defeitos.

E agora, peitos!!

DÊ UMA CHANCE PARA ...


Que tal um temático bem educadinho no meio da semana? Educadinho até demais, o gostosão Jared Allman tá no elenco e a gente não vê uma única cena de sexo. Mas tudo bem. SCENES FROM A GAY MARRIAGE (2012) conta uma historinha divertida.

Darren (Matt Riddlehoover, diretor e roteirista do filme) está se sentindo sem rumo. O casamento acabou, o maridão mudou pro outro lado do país, e ele precisa arrumar um emprego. Ele conhece o zelador do prédio, Joe, que acabou de entrar no homouniverso. Joe se interessa por Darren, mas o rapaz não tá muito afim de começar outro relacionamento no momento (só em filme alguém diz não pro Jared Allman). De repente, Darren acaba arrumando um jeito interessante de passar o tempo.

Tem um homocasal no ap de cima. Através do sistema de ventilação dá pra ouvir tudo que eles dizem. Darren começa a ouvir as conversas (e o sexo, eles fazem muito sexo), como se estivesse acompanhando uma novela. Parece ser um casamento feliz. Na rua, Darren segue um deles, o bonitinho, e descobre que o rapaz está mentindo quando diz que vai ao cinema, academia, etc. Agora Darren quer resolver esse mistério. Ele acha que vai se deparar com uma história digna de virar filme (por isso entra em contato com o ex, que mora em LA e produz filmes temáticos). Outros amigos de Darren também começam a seguir essa novela através das vozes no teto.

A gordinha Luce rouba a cena, ela é muito divertida. Darren e Luce estão sempre conversando sobre filmes, eu adorei esses momentos. E há muitos momentos fofos com o Joe, mas vai levar um tempão pro Darren cair na real. O filme ganhou uma continuação, com o mesmo elenco, em 2014, que eu ainda não vi.

25.10.16

MINHA PRIMEIRA LAGOA AZUL


Meu nome é Alessandro, tenho 13 anos, e a minha vida acabou. Eu passei o ano todo fazendo umas brincadeirinhas na cama com o Nino. Cada vez que a gente se encontrava, as brincadeiras evoluíam. Eu não tinha a menor ideia de onde isso ia parar. Mas parou num momento em que tava muito legal. Achei que ficaríamos apenas nisso, o que mais a gente podia fazer? Não havia ninguém para nos ensinar coisas novas. Foi algo do tipo lagoa azul.

Aí aconteceu o desastre. Eu perdi o controle e terminei dentro (você entendeu). Um fato estranho sobre sexo: mulheres têm bebês, homens não, tenho certeza disso. O Nino nunca vai ficar grávido, ah ah ah, que bobagem. Mas ... será que não vai acontecer alguma outra coisa com ele? Bem, alguma coisa vai acontecer, aquilo que fizemos foi sério demais. 

Plano A: pesquisa.
Havia um livro de educação sexual em casa. Eu nunca li. Eu só abria pra ver um cara pelado numa foto do tipo "seu corpo vai ficar assim quando você crescer". Resolvi ler o livro, pelo menos a parte do sexo. Não havia nada sobre dois homens juntos, nem mesmo sobre sexo ... vamos dizer ... alternativo. O que fazer?
Fui até a banca de jornal (mais distante) de casa e passei os olhos em revistas eróticas. Havia uma revista gay. Quando o jornaleiro se distraiu, eu peguei a revista e abri (plásticos? não naquela época). Ai caramba, nunca fizemos isso, ou isso, ou ... ok, não tenho muito tempo, vamos pra última página. A-ha, o cara terminou fora. Todo mundo termina fora. Eu tô ferrado.
Dias depois, pintou uma ideia. Aquilo devia ser pose pra foto. Vou tentar a vídeo locadora que acabou de abrir aqui no bairro. Os filmes eróticos ficavam num corredor bem na entrada (???), mas não havia nenhum com homens e apenas homens. Devo perguntar pro balconista? Voltei pra casa.

Plano B: fugir do país.
Alguma coisa vai acontecer com o Nino, eu não disse nada pra não meter medo nele. Pelo menos até eu juntar mais algumas informações. E quando acontecer, os pais do Nino vão descobrir tudo. E vão aparecer na minha casa para conversar com os meus pais. Que vergonha, eu quero morrer. Resolvi fazer o jogo da espera. Nada mais de sexo. Fim. Acabou. Vou esperar alguns meses (nove, talvez?) e ver se vai acontecer alguma coisa.
Comecei a evitar o Nino na escola. Eu consigo fazer isso. Estou decidido. A gente se vê daqui a nove meses, tchau. Três dias depois, lá estava eu, no quarto do garoto. Certo, certo, certo, vai ficar tudo bem desde que eu não termine dentro. Isso só vai piorar as coisas. 

Tanto medo, tantas perguntas. No ano seguinte eu fiquei com um cara trinta anos mais velho que eu. E ele tirou todas as minhas dúvidas. No fim das contas, tive meu próprio ''Ensina-me a viver (1971)'', esse era o filme que eu tava precisando.

FUCK YEAH, JUDE LAW!

(the young pope)

CHP ONLINE


Depois de estrear em alguns festivais de cinema, KING COBRA estreou na internet (há 4 dias). Data de estreia no Brasil: talvez nunca. O filme não agradou muita gente. Se trata de um filme bem fraquinho, Justin Kelly não sabe escrever e nem dirigir. Não havia a necessidade do verdadeiro Brent Corrigan jogar uma praga no filme na pré produção, e também depois de pronto. O filme arruinou sua carreira? Pff. Esse filme vai ser esquecido rapidinho.

Quando Hollywood começa um filme com a frase ''baseado numa história real'', é porque foi realmente baseado. Não se trata da história real, a história real é chata, cinema é divertimento, eles precisam mudar alguma coisa pra deixar o filme mais dinâmico. E aí o Corrigan diz que o filme não tá contando a história verdadeira. Grande coisa, a maioria de nós não conhece a história verdadeira, certo?

Garrett Clayton é Sean Paul Lockhart. Um garoto de 18 anos que foi descoberto pelo criador do site ''King Cobra'', Bryan Kocis (no filme seu nome é Stephen). Stephen (é o Christian Slater) transforma Sean num astro do pornô, usando o nome artístico de Brent Corrigan. É claro que ele também aproveita pra tirar uma casquinha do garoto. Apaixonado, Stephen enche Sean de presentes, mas o rapaz nem dá bola, até tenta namorar um outro ator com quem contracenou. Stephen está morrendo de raiva e de ciúmes.

Sean percebe que não está ganhando muita grana com os vídeos e pede um aumento. Stephen diz ''não'', a grana tá curta. Aí o garoto descobre que Stephen não está sendo sincero, há muita grana na jogada. 

Ao mesmo tempo, acompanhamos James Franco e seu namorado Harlow. Franco também faz filmes, e usa seu namorado como ator (e também como garoto de programa). Para sair da crise, ele precisa de Brent Corrigan em seu website. James Franco tá se divertindo no meio gay, quantos filmes já foram? Cinco? Mas ele sempre decepciona. Neste filme ele não leva suas cenas de homossexo a sério, tá só de brincadeira, e ainda dá aqueles beijos violentos do tipo ''Brokeback mountain''. Pior ator barra personagem do filme.
E é claro que o roteiro fraco também não ajuda. Quando a mãe de Brent (Alicia Silverstone) descobre a vida secreta do filho, os péssimos diálogos ficam evidentes. O tema do filme é pesado, mas o roteiro é insuportavelmente raso.

24.10.16

DÊ UMA CHANCE PARA ...


Ainda tá em cartaz, em alguns cinemas. Mas você tem que ir atrás das cópias legendadas. Primeiro, porque algumas piadas se perdem na tradução, é sempre bom aprender um pouco de inglês (mesmo que tenha um ''fuck'' ou dois na mesma frase). Segundo, a dublagem bê erre tá amenizando alguns palavrões. Mas por que o filme foi dublado afinal? Não é para crianças e não é todo cinema que bota algum tipo de aviso para o público desavisado (ah, isso deve ser muito engraçado). E mais, tem Seth Rogen, James Franco, Jonah Hill, Michael Cera e Danny McBride (a turma de sempre), junto com Salma Hayek, Paul Rudd, Kristen Wiig e Edward Norton.

Se os críticos estão detestando o filme, há uma boa explicação. Vários personagens homo bi e tri sexuais, disputas religiosas, uma sequência absurda de sexo grupal lá no final (que eu achei meio desnecessária) e consumo de drogas, muitas drogas. Como eu disse, não é para crianças. Mas os adultos vão curtir?

Mais uma vez: os Simpsons fizeram primeiro. Me lembro de um curta metragem, dentro do seriado, que mostrava um ''toy story'' com alimentos. FESTA DA SALSICHA é exatamente isso. Temos um supermercado cheio de produtos que veneram os seres humanos, nós somos deuses. Os alimentos são escolhidos por nós e nós os levamos para fora do mercado, para um ''pós vida'' melhor (as comidas árabes acreditam que existem 72 azeites virgens do ''outro lado''). Aí conhecemos a salsicha Frank, apaixonado pelo pãozinho Brenda. Os dois esperam ser escolhidos pelo mesmo deus para que possam ficar juntos.

No decorrer do filme, Frank descobre a terrível verdade. Os deuses estão devorando os alimentos que são levados embora, eles são monstros (uma sequência, numa cozinha, mostra um verdadeiro massacre). Frank quer alertar a todos, mas é difícil mudar as crenças dos amigos. É impossível não pensar em toy story, o filme é bem divertido, na maior parte do tempo, e tem um final bem maluco.

21.10.16

CHP RARIDADES


A Disney Br é craque na hora de humilhar os fãs. Simplesmente não se importa com a gente. Eu me lembro de quando os clássicos (anos 1990) do estúdio começaram a ser lançados em dvd por aqui. Havia a ''pequena sereia'', ''Aladdin'', ''A bela e a fera'', ''o rei leão'', ''Mulan'', o corcunda, o Hércules e até o Tarzan. Eram filmes que a gente tinha que comprar rapidinho, a Disney Br tirava eles de catálogo em tempo recorde. É claro que muita gente percebeu o buraco na coleção, cadê o dvd de POCAHONTAS?

O descaso com esse filme durou vários anos. E quando o dvd finalmente apareceu por aqui, os fãs quebraram a cara. A tal ''edição musical limitada'' (e bota limitada nisso) trazia uma luva com efeitos luminosos.



E um livreto com a letra de cinco canções do filme.



Outras animações já haviam ganhado uma versão musical. Esse foi o primeiro dvd brasileiro da Pocahontas. A gente queria uma edição especial, com extras e dois discos e etc, foi muita sacanagem. O disco não tem extra algum, apenas legendas do tipo karaokê. Nada de making of, nada de nada, nada de vídeo clip da Vanessa Williams, nem isso. O disco pertence a linha Fast Play, um menu simples que qualquer criança consegue mexer.

A edição de aniversário também não veio pra cá. Nem a edição ''Classic''. O filme ganhou um blu bê erre que traz ''Pocahontas 1 e 2'' na caixa. Mas não é a versão com 3 discos que foi lançada lá fora. Caramba, Disney Br, por que vocês odeiam tanto esse filme?

blu-ray - INDEPENDENCE DAY, O RESSURGIMENTO


Esse foi um dos (vários) filmes que eu perdi de ver na tela grande este ano porque só encontrei cópias dubladas 3D. De junho pra cá, o filme acumulou uma quantidade absurda de críticas negativas. Eu comprei o blu levando em conta algumas coisinhas, a) vinte anos separam os dois filmes, b) parte do elenco original está de volta e c) talvez a nostalgia faça o diretor ficar mais humilde (os últimos filmes do cara eram o oposto do primeiro ID4: muitos efeitos, pouco conteúdo).

Ok, comprei o blu, vi o filme, e gostei (!!!).
Eu tava lá, em 1996, vendo o primeiro filme na tela grande. Havia aquela dose de surpresa, de espanto, de descobrimento. O novo filme não poderia ter nada disso, se trata de uma sequência. Os humanos aprenderam a usar a tecnologia dos aliens e agora vivem num 2016 bastante futurista, com bases lunares e defesas espaciais. Aí os aliens reaparecem. Foi nesse ponto que eles enfiaram as novidades. Temos uma única nave, gigantesca, que destrói planetas inteiros, e uma rainha alien, igualmente gigantesca, no controle da colmeia. O que eu mais gostei, surge um terceiro lado nesta guerra.

Jeff Goldblum e Bill Pullman estão de volta, passando a peteca pro Liam Hemsworth e pro filho do falecido Will Smith. Um dos personagens do primeiro filme volta e se apresenta como homossexual, ele tem até um marido. Referências ao filme de 1996 deixam essa sequência mais interessante. Elas são necessárias porque essa sequência não é um filme muito memorável. O primeiro filme marcou época, gerou clones, o segundo filme teria que inovar (e muito) para agradar, e isso não é coisa fácil de se fazer.

No final, há um gancho para um terceiro filme (beeem exagerado), prometido para 2018 (peeeeerto demais).

em cartaz - JOVENS, LOUCOS E MAIS REBELDES


Se você não viu o filme de 1993 (Jovens, loucos e rebeldes), tudo bem. A única coisa que essa ''sequência'' tem em comum com aquele filme (além do título br) é o diretor barra roteirista. Agora temos outros personagens e o filme saltou para a década de 1980. Nesse ponto a produção tá impecável, nos cenários, nos figurinos e nos modismos. Caramba, eu já usei aqueles shorts curtos, tive vários, mas se hoje eu saísse com um deles na rua, me sentiria pelado. Por conta do figurino, o filme tá homo imperdível, muitas calças justas, muita coisa a mostra. Temos dois atores do seriado da Supergirl, Blake Jenner (adoro aqueles olhos, adoro aquele queixo, adoro aquele sorriso) e o Superman Tyler Hoechlin (de crop top no meio do filme!!!).


E no balanço das horas tudo pode mudar


Tirando a parte visual, o filme não tem muito conteúdo, não chega a ser tão marcante quanto o filme de 1993. Os dois filmes não devem ser vistos como comédias, eles não fazem apelações, apenas tentam mostrar adolescentes normais com vidas normais, nada do tipo ''american pie'' e afins. A diferença é que, no segundo filme, não temos personagens memoráveis. No filme de 1993 o Matthew McConaughey roubava a cena, e os adolescentes de 1976 tinham uma vida mais movimentada. Desta vez, vemos uma turma curtindo uma festa, paquerando umas garotas, depois outra festa, mais garotas, e outra festa (eu perdi a conta pra falar a verdade), um treino de baseball, um camping e finalmente o primeiro dia de aula. É pouca coisa pra duas horas de filme. É pra se ver em casa, em dvd, numa terça feira com chuva. O diretor não tava muito inspirado desta vez, fez uma novelinha básica e nada mais.














FICHA TÉCNICA

TÍTULO ORIGINAL: everybody wants some!!
ANO: 2016
PAÍS: eua
DURAÇÃO: 1h 57min
DIRETOR: Richard Linklater
ELENCO: Blake Jenner, Juston Street, Ryan Guzman, Tyler Hoechlin, Wyatt Russell, Temple Baker e J. Quinton Johnson
ESTREIA BR:  20 de outubro


NA POLTRONA

10 min - paquerando
30 min - Superman e o crop top
1 hora - punks por uma noite

18.10.16

CHP COLLECTION


Trinta e cinco filmes até o momento. E ainda tô caçando os clássicos, alguns são inéditos em dvd/br. Esses são os filmes da Marvel Comics. 

''X-men'' foi o meu primeiro dvd. O primeiro ''Blade'' veio em seguida. Eu não curti as duas sequências, então só tenho o primeiro mesmo (ele tem Stephen Dorff sem camisa). Também tenho o ''Justiceiro'' do Thomas Jane, o meu favorito. E o bobinho ''Hulk'', do Ang Lee.

Ainda por fora, o ''Demolidor'' do Ben Affleck (edição de colecionador) e a ''Elektra'' chatinha da Jenny Garner. O ''Motoqueiro Fantasma'', só o primeiro (tem Wes Bentley), e os dois filmes do ''Quarteto Fantástico'' (o reboot nem de graça). Ainda na Fox: ''X2'', ''X-men, o confronto final'', ''X-men, Origens: Wolverine'' e ''Wolverine imortal''. Depois vem o prequel: ''X-men, primeira classe'' (edição de luxo, caixa lindona), ''X-men, dias de um futuro esquecido'' e ''X-men, dias de um futuro esquecido, edição Vampira''. Finalizando com ''X-men: Apocalipse'' e ''Deadpool''.

Pela Sony: ''Homem Aranha 1, 2 e 3'', e os reboots: ''O espetacular Homem Aranha 1 e 2''.
E agora, Marvel Studios: ''O incrível Hulk'', ''Homem de Ferro'', ''Capitão América, o primeiro vingador'', ''Thor'', ''Homem de Ferro 2'' e ''Vingadores'' (na lata) na fase 1.

Na fase 2: ''Homem de Ferro 3'', ''Thor, o mundo sombrio'', ''Capitão América, o soldado invernal'', ''Guardiões da galáxia'', ''Vingadores, a era de Ultron'' e ''Homem Formiga''.
E já entrando na fase 3 com ''Capitão América: Guerra civil''.

Ok, o que tá faltando? Eu queria os três tele-filmes do Hulk: ''A volta do incrível Hulk (1988)'', ''O julgamento do Incrível Hulk (1989)'' e ''A morte do incrível Hulk (1990)''. A gente vê o Thor e o Demolidor nesses filmes. Onde encontro os dvds (originais)?
No que diz respeito a seriados de tv (eu tenho a série completa dos Vingadores, 2010-2013), eu queria a coleção completa de ''X-men (1994)'' e o ''Demolidor'' da Netflix em dvd.

CHP CLASSIC


Tem gente que prefere a boa e velha ordem alfabética. Eu levo em conta o ano de produção na hora de colocar um dvd na minha estante. Lá embaixo, você encontra os filmes de 2016. Lá em cima, bem no canto, temos um curta metragem de 1898. Ok, não é exatamente um curta metragem, não existia esse negócio de curta e longa na época. O dvd UMA SESSÃO MÉLIÈS, da Cult Classic, traz quinze produções do famoso George Méliès.

Os irmãos Lumière criaram o cinema, mas não viram futuro algum naquilo. George Méliès descobriu que podia usar os filmes para fazer truques de mágica, ele criou os primeiros efeitos especiais. Depois descobriu que os filmes poderiam ser usados para contar histórias. Em 1902 ele adaptou ''Viagem à Lua'', de Júlio Verne. Foi o primeiro filme (13 min) de ficção científica. Ele também faz parte do pacote, ao todo, os filmes somam apenas 60 minutos. Todos eles são apresentados pela neta do cineasta, ela explica tudinho pra você no dvd. A coletânea foi lançada em 1997, mas eu mantenho ela lá em cima. É subir numa cadeira ou nada feito.