25.2.15

CHP CLASSIC


O filme BARBARELLA tinha uma meta, usar e abusar do corpão de Jane Fonda. Nos primeiros minutos, ela faz um striptease em gravidade zero. Mas o filme virou cult por causa dos gays.
É um filme bem ousado (é europeu, e parte do elenco recebeu uma dublagem em inglês), e também é divertido, ele tem muitos absurdos na trama, como se fosse uma paródia do universo sci-fi. Estreou no Brasil no natal de 1968.
Barbarella é uma astronavegadora que vive no ano 40000. O universo está em paz há séculos, mas essa paz agora está ameaçada porque alguém resolveu criar uma super arma. Em sua nave, forrada de pelúcia, com um homocomputador de bordo, a moça recebe uma missão do presidente da república da Terra. Ela precisa encontrar um cientista chamado Duran Duran, a arma que ele construiu não pode cair em mãos erradas.
Barbarella está disposta a fazer de tudo para cumprir sua missão, até mesmo fazer sexo com um caçador gostosão da maneira antiga, ou seja, sem usar pílulas de transferência de exaltação. Num planeta distante, ela recebe a ajuda de um homem alado cego e se junta à uma rebelião que quer destronar uma rainha tirana de sexualidade duvidosa.
É uma pena que esses absurdos engraçados não duram o filme todo. Nos minutos finais pouca coisa engraçada acontece. O filme é curto mas se arrasta um pouquinho.
Nos últimos anos, esse clássico psicodélico ''paz e amor'', que é a cara dos anos 1960, quase ganhou um remake. Teria sido um sacrilégio.













FICHA TÉCNICA

TÍTULO ORIGINAL: Barbarella, the queen of the galaxy
ANO: 1968
PAÍSES: frança, itália
DURAÇÃO: 98 min
DIRETOR: Roger Vadim
ELENCO: Jane Fonda, John Phillip Law, Anita Pallenberg e Milo O'Shea.

1 comentário:

Anónimo disse...

unf... vi ontem, iria dar 7 também, mas o final foi se enrolando pra conseguir fechar a trama.

Bem no remake poderia mostrar mais nudes masculina, fiquei curioso pra saber ate onde o caçador peludo tem pelos. hehe