29.1.15

em cartaz - BIRDMAN ou (A INESPERADA VIRTUDE DA IGNORÂNCIA)


Já ganhou vários prêmios, só falta o Oscar, e sim, o filme é tão bom quanto dizem por aí. BIRDMAN é um filme diferente, foi editado de uma forma que faz parecer que todo o filme foi filmado numa única tomada. Isso não rolou de verdade, mas o filme traz muitas tomadas longas, pra deixar qualquer ator maluco. Uma única câmera (do nosso ponto de vista) segue todos os personagens do filme pelos corredores de um teatro. Pode parecer vídeo amador, porém, o filme coloca alguns efeitos especiais no meio, e a gente toma alguns sustos.


- Vamos chamar o Tim Burton pra dirigir a parte 4.


Michael Keaton é um ator que ficou mundialmente famoso ao interpretar um personagem dos quadrinhos numa trilogia de filmes, o Birdman. O último filme foi em 1992 (sacou a piada?) e desde então, ele não fez mais nada marcante. Ao lado do Zach Galifianakis, o ator está investindo tudo que tem numa peça de teatro, ele quer ser reconhecido como um ator sério. Sua filha Emma Stone também está ajudando. Michael tem que lidar com vários problemas durante o filme, um dos atores da peça, o Edward Norton (com muita nudez nesse filme), é um cara convencido e chato. E Michael também tem alguns problemas pessoais, uma namorada grávida, a ex mulher que aparece no camarim e uma crítica que não gosta dele de jeito nenhum. Além de todo esse estresse, ele também tem que lidar com o Birdman, o personagem vive dentro de sua cabeça e está sempre falando com ele. O filme é uma tragicomédia de primeira, e tem um final soberbo.














FICHA TÉCNICA

TÍTULO ORIGINAL: Birdman
ANO:  2014
PAÍSES: eua, canadá
DURAÇÃO: 119 min
DIRETOR: Alejandro González Iñárritu (biutiful, babel, 21 gramas)
ELENCO: Michael Keaton, Emma Stone, Zach Galifianakis, Edward Norton e Naomi Watts.
ESTREIA BR: dia 29 de janeiro de 2015
PRÊMIOS: indicado para 9 Oscars (melhor filme, ator (Keaton), ator coadjuvante (Norton), atriz coadjuvante (Emma), diretor, roteiro original, fotografia, som e edição de som).
VEJA TAMBÉM: Primavera para Hitler.

Sem comentários: