23.12.14

METENDO O PAU NA DUBLAGEM (episódio 386)


O que diabos aconteceu com a dublagem brasileira? Tecnicamente é a melhor do mundo (veja o Bane do Tom Hardy e o ''brasileiro'' na fábrica de suco no ''incrível Hulk'', a dublagem norte americana é horrível), mas, se não me engano, a coisa perdeu a graça por causa do Miguel Falabella. Que ideia mais infeliz, em ''coração de dragão'' o cara substituiu o vozeirão sexy do Sean Connery.
E agora temos ''dubladores artistas'' em todo canto, e eles estão arruinando um filme atrás do outro. Eu tenho uma lista de filmes que eu nunca vejo em versão dublada por causa deles:

Tarzan
Shrek 1 e 2
Robôs
A era do gelo 2 e 3
Asterix e os vikings
Enrolados
Frozen
Dinossauro
Kung fu panda 1 e 2
Meu malvado favorito 1 e 2
Detona Ralph
A origem dos guardiões

E esses são apenas os filmes que eu tenho em casa, esse pessoal estragou vários outros como ''nem que a vaca tussa'' e ''o mar não está pra peixe'' (se bem que, esses filmes, já são originalmente ruins). Mas desta vez resolvi falar sobre dublagens estranhas.



Esta deixou a família toda revoltada aqui em casa. Vimos ''a pequena sereia'' um milhão de vezes em vhs, promovendo até uma sessão especial para os vizinhos. E quando o filme foi relançado em vhs/dvd (a tal versão remasterizada), surpresa, por alguma razão, algumas canções ganharam uma nova letra. E pra quê isso? Se eles querem dar uma ''melhoradinha'' em filmes clássicos, porque não colocam uma dubladora competente no papel da Bela?

E a Disney Brasil atacou também ''a dama e o vagabundo'' (argh, e agora a Disney tem star wars, medo). Quando comprei o blu, wow, dublagem nova. Ok, a dublagem original tinha alguns defeitos, eu entendo. Mas me chamou a atenção o lance da ''cadela''. No áudio original, Jim chama Lady de ''that dog'', é meio ofensivo. A nova dublagem poderia ter usado ''aquele cachorro''. Mas usaram a palavra ''cadela'', Lady tomou isso como uma ofensa, e com toda razão, olha só como nós usamos essa palavra. Mas, de qualquer maneira, é a palavra certa. Por que Lady se importaria? Se fosse repassado para o inglês, seria ''bitch'', num clássico da Disney...

Essa outra gerou polêmica. O dublador que normalmente faz a voz do Sean Penn, e também do Tom Hanks (até em ''toy story'') se recusou a dublar o filme ''milk'' porque o personagem era homossexual. O dublador também é pastor (faça uma pesquisa sobre o fundador da assembleia de deus, você vai ficar chocado) e disse que não se sentiria a vontade fazendo esse filme. E olha que ele já interpretou personagens bem violentos em outras produções. Marco Ribeiro também costuma dublar o Jim Carrey, mas não sei se ele topou ''eu te amo, Phillip Morris'' no ano seguinte.

E essa foi de doer. Eu gostava bastante do seriado animado dos ewoks. Quando saiu o dvd, com alguns poucos episódios, vi que ele não trazia a dublagem da época. A nova dublagem é incrivelmente tosca. Foi criada uma música de fundo para acomodar as novas vozes, uma técnica bem ultrapassada e irritante. A música é insuportável e se mantém num modo looping durante todo o episódio, e ela está em todos os episódios.

Outra coisa chata são as abrasileirações. Em ''Atlantis'' tem um ''mineiro'' no elenco com o ''mapa de Minas Gerais'' tatuado na barriga. Agora pegue isso e multiplique por mil e você terá ''primo cruzado''. ''Perfect strangers'' é um seriado de tv de 1986 que durou 8 temporadas. No Brasil foi chamado de ''primo cruzado'', porque essa era a moeda do país quando a série chegou por aqui e ela não valia nada. A série era sobre um cara que vivia em NY. Seu estranho primo Balki chega da Grécia e vai morar com ele. Na dublagem brazuca, ''Zeca'' veio de Minas Gerais, tinha até sotaque. Mas quando falava sobre a terrinha, só pintavam costumes estranhos.

Mas o grande ''campeão'' desta lista é o seriado dos Simpsons. Já teve de tudo. Quando estreou por aqui, na Globo, recebeu vários cortes para poder ser exibido durante o dia (quando a rede voltou a exibir a série, cortou um beijo gay). As abrasileirações eram imperdoáveis, me lembro da Marge dizendo ''no domingo temos o Faustão na Globo''. Erros eram constantes nos anos 1990, ''skate'' e ''patins'' eram a mesma coisa (a pessoa que traduz os diálogos não vê o episódio? E nenhum dublador pode corrigir isso ao ver que está errado?). Hoje, na Fox, vejo os episódios clássicos na íntegra, e também pelo dvd. Fico bobo ao ver quantas coisas ''ofensivas'' foram cortadas e/ou reescritas. Ainda mais quando o assunto era religião:

Dublagem
Reverendo Lovejoy: Ned, você já pensou em alguma outra religião? Todas elas são muito boas.

Original
Reverendo Lovejoy: Ned, você já pensou em alguma outra religião? Todas elas são praticamente a mesma coisa.

Hoje em dia, na Fox, não há desculpas. Posso não gostar muito do atual dublador do Homer (se bem que ''Zé Ruela'' é mesmo engraçado), mas agora o Lovejoy pode chamar a Bíblia de ''sonífero com duas mil páginas'' numa boa.

1 comentário:

Anónimo disse...

imperdoável qualquer fruta ser amora, ameixa sera que é mais fácil?

detesto quando mudam no nome do programa - tipo a historia do 'no domingo tem faustão'. argh, acho isso uma privação de conhecimento. Você não esta acostumado a aquilo, mas pode ativar sua curiosidade e você procurar ir atras (todo mundo vê tv com seu aparelho movel na mão)