21.12.14

DÊ UMA CHANCE PARA ... (2014)


O filme é legal, tá cheio de ação, a trama não ofende ninguém, é sci-fi cerebral, mas apenas no final. Acho que NO LIMITE DO AMANHÃ não faturou muito porque o filme saiu caro, quase um Titanic, para ser considerado um sucesso o filme tem que faturar três vezes o custo da produção. Mas, caramba, o filme não tá se exibindo nos efeitos especiais, eles são necessários. E o diretor Doug Liman tem estilo, ele mudou a cara dos filmes de ação com a ''Identidade Bourne'' em 2002. 
Então, será que a gente pode botar a culpa no Tom Cruise?
Até ele concorda que seus últimos filmes foram uma droga. De ''Minority Report'' para cá, apenas ''Trovão Tropical'' e ''Missão impossível 4'' podem ser salvos. ''Oblivion'' também é uma sci-fi cabeça, mas o filme dá sono. O ''preconceito Cruise'' pode ser um problema, porém, o cara não tá massageando o ego neste filme, que, olha só, lembra um pouco o ''Minority Report'', logo, é assistível.
No meio de uma guerra entre humanos e aliens, Tom vai parar, contra sua vontade, num campo de batalha. No estilo dia D, ele desembarca numa praia e o massacre começa. O cara morre em cinco minutos e depois desperta no dia anterior. Ele vive o mesmo dia várias e várias vezes durante o filme. Depois de um tempo, o filme deixa de mostrar os detalhes para não ficar cansativo, se concentrando mais na Emily Blunt. A explicação para tudo isso é muito boa e eu adorei o jeitão ''vídeo game'' do filme. Muita gente deixou o ''preconceito Cruise'' de lado este ano, NO LIMITE DO AMANHÃ recebeu ótimas críticas.


FICHA TÉCNICA

TÍTULO ORIGINAL: edge of tomorrow
ANO: 2014
PAÍSES: eua, austrália
DURAÇÃO: 113 min
DIRETOR: Doug Liman (jumper, sr e sra Smith, vamos nessa, a identidade Bourne)
ELENCO: Tom Cruise, Emily Blunt, Brendan Gleeson, Bill Paxton e Jonas Armstrong.

1 comentário:

Anselmo disse...

Qualquer filme que mexa com o tempo tem minha atenção. Se faz isso parecendo um videogame de ação melhor ainda. O final pode parecer confuso a principio, mas só pensar um pouquinho que começa a fazer sentido.
Ah e tem a música Love Me Again do John Newman nos créditos finais. Caiu feito uma luva
Recomendadíssimo!!