27/03/2012

JOGOS VORAZES

É o filme do momento, todo mundo está falando dele. Todo mundo está comprando os livros e a atriz principal já virou uma boneca Barbie. É o novo Crepúsculo de Hogwarts ou coisa parecida (sem querer unir meus dois blogs num só). Bem, eu não sou do tipo que segue uma moda só porque virou moda ou odeia uma moda só porque virou moda. Eu dei uma chance pro HP e pros vampiros também. E como ainda não fui atrás dos livros, fui ver esse filme como um não-leitor, se houver lacunas abertas na adaptação, espero que o filme se mantenha em pé sozinho, sem a ajuda do livro e tal. E aí, como filme e unicamente como filme, eu não vi nada de novo. É uma trama batida, já vi coisa parecida no seriado dos Super amigos, He-man, Thundercats, Liga da Justiça e recentemente em Clone Wars. É aquele lance de pegar os seres mais poderosos da galáxia e jogar todo mundo numa arena para uma luta até a morte e um deles vai virar o jogo, desrespeitando as regras. Mas esse filme tem algo novo no fim das contas, os tais jogos fazem parte de um reality show.

PODE ME EXPLICAR ESSE GESTO?

Num futuro distante, uma guerra dividiu a América do norte em 12 distritos. Para manter a paz no pedaço, surgem os Jogos Vorazes. Um reality Show visto por milhões de pessoas. Cada distrito tem que mandar dois adolescentes, um rapaz e uma moça, para representá-lo nos JV a cada nova edição do evento. A convocação é obrigatória, os adolescentes se revoltam, os adultos nem ligam (vamos dar um desconto, é a 74ª edição dos JV, todos estão conformados com isso). Esses 24 jovens serão jogados dentro de uma selva que é um ambiente controlado, a matança começa e termina quando restar apenas um adolescente vivo. Para salvar sua irmã mais nova, a protagonista do filme toma o seu lugar na seleção (e deixa para trás o namorado bonitão). Ela vai até a capital (cidade futurista, cenas legais) e vira uma celebridade. Ponto alto, a metade reality show do filme, mostrando os bastidores dos JV em forma de programas de tv. Ponto fraco, a crueldade do show é tanta (não acho que seja um livro barra filme indicado para crianças) e pouca gente se importa com isso, na verdade, em alguns trágicos momentos (que poderiam ensinar uma lição para o povo do futuro) nem sequer vemos a reação do telespectador. São crianças lutando até a morte para divertir os adultos. E quanto às malditas lacunas... o filme não explica o gesto dos 3 dedos (mas faço uma ideia do significado) e também não explica os "cachorros" digitais. Agora que o filme se tornou uma das maiores bilheterias de estreia da história, uma parte dois virá em breve, mas eu a) não fiquei com vontade de ver o filme novamente (digo, não vou comprar o dvd), b) não fiquei com vontade de comprar os livros e c) não estou ansioso para ver a parte 2 (esse filme tem começo meio e fim, por mim, ficava nisso mesmo). Um caramelo para quem descobrir um pedacinho da "lagoa azul" neste filme.










VEJA TAMBÉM: Tron, Gladiador, Predadores, 1984, O show de Truman.

6 comentários:

ALESSANDRO SKYWALKER disse...

FICHA TÉCNICA

TITULO ORIGINAL: the hunger games
ANO: 2012
PAÍS: eua
DURAÇÃO: 142 min
DIRETOR: Gary Ross (a vida em preto e branco, Seabiscuit)
ELENCO: Jennifer Lawrence, Wes Bentley, Stanley Tucci, Elizabeth Banks, Liam Hemsworth, Josh Hutcherson e Lenny Kravitz
DATA DE ESTREIA NO BRASIL: 23 de março

Anônimo disse...

Wes Bentley .

Matheus A. disse...

O livro é realmente melhor que o filme, em vários aspectos, mas eu adorei o filme. O gesto que ela está fazendo na foto significa respeito, admiração. E quanto aos cachorros... os idealizadores dos jogos montam várias dificuldades ou armadilhas para que os tributos morram, como pode ser observado no filme (o fogo na floresta, aqueles ~~presentes~~ que eles tanto precisavam, as teleguiadas etc) e o cachorro bestante foi um deles, com o objetivo de matá-los ou levar os tributos restantes à se juntarem e portanto lutarem entre si.

ALESSANDRO SKYWALKER disse...

Então os cães são reais, animais geneticamente criados e tal? escondidos no sub solo da selva, são apresentados de tal maneira no filme que a gente logo pensa em holografia ou algo parecido, principalmente quando se reproduzem ao toque de um botão,ô coisa esquisita

Anônimo disse...

essa questão de juntar pessoas fortes num lugar para se matarem não é novo, como vc já disse.

E colocar desta forma e ainda por cima como reality show tbm não é nada novo, como vc citou que era. Já vi dois ou tres filmes com esta temática, embora não lembre nomes agora.

A questão dos clichês é inevitável, a diferença se dá pela construção de bons personagens, desenvolvimento da trama e ao menos finais dignos.

Se formos ver pelo que é igual ou diferente, praticamente não há mais quase nada para ser inventado

Anônimo disse...

O sinal significa respeito,nessa cena do filme eles fizeram um sinal de aproximação entre a Katniss e o Distrito 11,dê uma chance para os livros,tenho os três e são ótimos.Na minha opinião o 3 é o melhor.